sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

sexta-feira, 28 de agosto de 2009

quinta-feira, 2 de julho de 2009

O sétimo

7- Gostar dói. Você muitas vezes vai ter raiva, ciúmes, ódio, frustração. Faz parte. Você namora
um outro ser,um outro mundo e um outro universo. E nem sempre as coisas saem como você
quer... A pior coisa é gente que tem medo de se envolver. Se alguém vier com este
papo, corra, afinal, você não é terapeuta. Se não quer se envolver, namore uma
planta. É mais previsível. Na vida e no amor, não temos garantias. E nem todo sexo bom é para namorar. Nem toda pessoa que te convida para sair é para casar. Nem todo beijo é para romancear. Nem todo sexo bom é para descartar. Ou se apaixonar. Ou se culpar.

quinta-feira, 18 de junho de 2009

love me, love me tender.

fever, fever, fever..............................................................................for you""

quarta-feira, 17 de junho de 2009

espelho "pedaços de nós"











Pedaços partidos,
jogados no fundo da alma, pulsando,pulsando,
sem encontar uma saída, nem ao menos um ruído, constante, constante,
esperando dar a hora,
esperando dar a hora.

Paty Presley

Morte e Vida Srverina

O meu nome é Severino,
como não tenho outro de pia.
Como há muitos Severinos,
que é santo de romaria,
deram então de me chamar
Severino de Mariacomo há muitos Severinos
com mães chamadas Maria,
fiquei sendo o da Mariado finado Zacarias.
Mais isso ainda diz pouco:há muitos na freguesia,
por causa de um coronelque se chamou Zacariase que foi o mais antigo
senhor desta sesmaria.
Como então dizer quem faloora a Vossas Senhorias?
Vejamos: é o Severinoda Maria do Zacarias,
lá da serra da Costela,limites da Paraíba.
Mas isso ainda diz pouco:se ao menos mais cinco havia
com nome de Severinofilhos de tantas Marias
mulheres de outros tantos,já finados, Zacarias,
vivendo na mesma serra
magra e ossuda em que eu vivia.
Somos muitos Severinos
iguais em tudo na vida:na mesma cabeça grande
que a custo é que se equilibra,no mesmo ventre crescido
sobre as mesmas pernas finase iguais também porque o sangue,
que usamos tem pouca tinta.
E se somos Severinos
iguais em tudo na vida,morremos de morte igual,
mesma morte severina:que é a morte de que se morre
de velhice antes dos trinta,de emboscada antes dos vinte
de fome um pouco por dia(de fraqueza e de doença
é que a morte severina
ataca em qualquer idade,e até gente não nascida).
Somos muitos Severinos
iguais em tudo e na sina:a de abrandar estas pedras
suando-se muito em cima,a de tentar despertar
terra sempre mais extinta,
a de querer arrancar
alguns roçado da cinza.Mas, para que me conheçam
melhor Vossas Senhoriase melhor possam seguira história de minha vida,passo a ser o Severinoque em vossa presença emigra.

''...........................................................................................................................................................''

É difícil defender,só com palavras, a vida,ainda mais quando ela é
esta que vê, severina mas se responder não pude
à pergunta que fazia,ela, a vida, a respondeu
com sua presença viva.E não há melhor resposta
que o espetáculo da vida:vê-la desfiar seu fio,
que também se chama vida,ver a fábrica que ela mesma,
teimosamente, se fabrica,vê-la brotar como há pouco
em nova vida explodida mesmo quando é assim pequenaa explosão,
como a ocorridacomo a de há pouco, franzina
mesmo quando é a explosãode uma vida severina.

João Cabral de Melo Neto, cabra da peste.

http://www.geocities.com/joaocabraldemeloneto/morevida.htm

quarta-feira, 29 de abril de 2009



e a vida vai acontecendo...............

inaugurado

Eu queria voltar? É ironia dizer que sim. E o que vagava sobre meus pensamentos se contradizia? Pode ser. Tão incerto como o cotidiano, aqui isso me aflige. A condição me faz perdurar em uma vida distante que agora é real.